Marketing para Advogados
CMVR_Novembro 2021

Vítima de serial killer no Alasca é identificada após 37 anos

Por Equipe G. Gospel em 23/10/2021 às 18:11:20
Robin Pelkey tinha 19 anos quando foi morta no início dos anos 1980, e até agora era conhecida apenas como Horseshoe Harriet. Ela foi uma das cerca de uma dúzia de vítimas de Robert Hansen, apelidado de "Butcher Baker" e morto em 2014; assassino em série inspirou filme com Nicolas Cage. Foto sem data divulgada pelo Departamento de Segurança Pública do Estado do Alasca mostra Robin Pelkey pouco antes de seu aniversário de 18 anos

Alaska State Department of Public Safety via AP

Uma mulher conhecida há 37 anos apenas como Horseshoe Harriet, uma das cerca de uma dúzia de vítimas de um notório serial killer no Alasca, foi identificada por meio de genealogia genética e uma correspondência de DNA, anunciaram as autoridades na sexta-feira (22).

A vítima foi identificada na sexta-feira como Robin Pelkey, que tinha 19 anos e vivia nas ruas de Anchorage quando foi morta por Robert Hansen no início dos anos 1980, disse a Unidade de Investigação de Casos Resumidos do Alaska Bureau of Investigation.

"Gostaria de agradecer a todos os policiais, investigadores e analistas que trabalharam diligentemente neste caso nos últimos 37 anos. Sem seu trabalho árduo e tenacidade, a identidade de Pelkey poderia nunca ter sido conhecida", disse o comissário do Departamento de Segurança Pública do Alasca, James Cockrell, em um comunicado.

Hansen, que era dono de uma padaria, ganhou o apelido de "Butcher Baker" por sequestrar e caçar mulheres – muitas delas prostitutas – no deserto ao norte de Anchorage durante o início dos anos 1980, quando a maior cidade do estado estava em plena expansão devido à construção do oleoduto trans-Alasca.

A construção do gasoduto de quase 1.300 quilômetros ofereceu empregos bem remunerados para os trabalhadores, mas também atraiu aqueles que desejavam ganhar dinheiro com eles, desde profissionais do sexo a traficantes de drogas.

Muitas daquelas pessoas em busca de dinheiro rápido saíram tão rápido quanto chegaram, e percorreram um circuito ao longo das cidades da costa oeste, tornando os desaparecimentos repentinos um acontecimento comum.

O soldado aposentado Glenn Flothe, que ajudou a colocar Hansen atrás das grades, disse ao jornal "Anchorage Daily News" em 2008 que as vítimas de Hansen inicialmente incluíam qualquer mulher que chamasse sua atenção, mas ele rapidamente aprendeu que strippers e prostitutas eram mais difíceis de rastrear e menos passíveis de serem procuradas.

Robert Hansen em foto de outubro de 1971

Anchorage Daily News via AP

O filme "Sangue no gelo", de 2013, estrelado por Nicolas Cage e John Cusack, narrou a investigação dos policiais e a captura de Hansen.

Hansen foi condenado pela morte de quatro mulheres, mas confessou ter matado várias outras, disseram policiais. A certa altura, ele voou com os investigadores sobre uma área ao norte de Anchorage, na qual apontou onde 17 de suas vítimas estavam enterradas.

Em 1984, os soldados estaduais do Alasca retornaram a essas áreas, onde os restos mortais de oito mulheres foram encontrados. No total, 12 corpos foram encontrados e 11 deles foram identificados, disse o porta-voz do soldado Austin McDaniel.

A única pessoa ainda não identificada é conhecida apenas como Eklutna Annie, que se acredita ter sido a primeira vítima de Hansen, disse McDaniel. Seu corpo foi encontrado perto do Lago Eklutna, ao norte de Anchorage.

Esforços de genealogia genética estão em andamento na esperança de também identificá-la, disse Randy McPherron, investigador de casos arquivados do Alaska State Troopers, à agência Associated Press.

"Nós realmente cruzamos os dedos para que possamos saber, descobrir quem é Eklutna Annie", disse ele, acrescentando que o prazo pode levar até um ano.

Entre os restos mortais encontrados em 1984, Pelsky foi encontrada deitada no chão, perto do lago Horseshoe e do rio Little Susitna, a poucos quilômetros a noroeste de Anchorage, disseram os policiais.

Lápide de Jane Doe nº 3 em um cemitério em Anchorage, Alasca, em foto de 3 de setembro de 2014

AP Photo/Rachel D'Oro

Não havia nenhuma identificação no corpo que ficou conhecido como Horseshoe Harriet. Hansen disse aos investigadores que ela era uma prostituta que ele sequestrou do centro de Anchorage em algum momento do inverno de 1983.

Ele disse aos investigadores que a levou para o lago em seu pequeno avião, assassinou-a e jogou o corpo fora. Ele não sabia o nome dela ou muito mais sobre ela.

Uma autópsia confirmou que o corpo era de uma mulher branca com idade entre 17 e 23 anos. Não havia relatos de desaparecimento que correspondessem, e ela foi enterrada no cemitério municipal de Anchorage como "Jane Doe nº 3".

O caso foi reaberto em 2014, no mesmo ano em que Hansen morreu na prisão, aos 75 anos.

O corpo foi exumado e amostras foram enviadas para criar um perfil de DNA, que foi adicionado ao banco de dados nacional de desaparecidos do FBI. Uma identificação não foi obtida.

Em setembro de 2020, os investigadores fizeram outra tentativa de identificar os restos mortais usando genealogia genética.

Uma amostra de osso foi enviada para um laboratório privado e DNA adicional foi extraído e enviado para Sequenciamento do Genoma Completo, disseram os investigadores. Esses dados foram então enviados para outro laboratório, onde um perfil de DNA foi gerado e carregado em um banco de dados genealógico de acesso público em abril.

Os policiais disseram que vários pares próximos foram encontrados e usados para criar uma árvore genealógica para a vítima. A pesquisa indicou que a vítima poderia ser uma mulher chamada Robin Pelkey, que nasceu no Colorado em 1963.

Funcionários do cemitério e membros da equipe de legistas exumam o corpo de Jane Doe nº 3 de um cemitério em Anchorage, Alasca, em foto de 3 de setembro de 2014

AP Photo / Rachel D'Oro

Os policiais descobriram que ela morava em Anchorage no início dos anos 1980, mas nenhum registro indicava que ela estava viva depois de 1984.

Por fim, parentes próximos foram localizados no Arkansas e no Alasca. Membros da família disseram aos investigadores que Pelkey morava em Anchorage no final dos anos 1970, mas se mudou para o Arkansas quando era adolescente antes de retornar ao Alasca em 1981 para morar com seu pai e sua madrasta.

Os policiais disseram que ela acabou morando nas ruas de Anchorage, mas desapareceu no final de 1982 ou início de 1983.

Parentes disseram que não sabiam ao certo por que os pais de Pelkey, que já faleceram, não relataram seu desaparecimento.

Uma correspondência de DNA com um parente próximo em Arkansas confirmou a identidade de Pelkey e a família foi notificada em setembro. Por meio dos investigadores, familiares disseram que não queriam ser contatados pela mídia.

"Obviamente, estou muito feliz por finalmente ter descoberto quem ela é e dar a sua família algum fechamento", disse McPherron. "A genealogia genética tem sido um grande salto na resolução de homicídios não resolvidos, mas também na identificação de pessoas, então é muito gratificante ver que isso finalmente foi resolvido".

Os policiais compraram uma nova lápide para Pelkey, disse McDaniel.

Vídeos: Os mais assistidos do g1 nos últimos 7 dias

Fonte: G1

Comunicar erro
Marketing para Advogados_2

Comentários

Supletivo_01 - Local 3