Marketing para Advogados
CMVR_Novembro 2021

Veja frases de Paulo Guedes em coletiva sobre teto de gastos

Por Equipe G. Gospel em 22/10/2021 às 17:09:06
Ministro da Economia se pronunciou depois de reconhecer o 'furo' no teto de gastos que desencadeou uma crise no mercado financeiro, causando uma disparada do dólar e queda na bolsa de valores. Paulo Guedes fala ao lado de Bolsonaro no Ministério da Economia

REUTERS/Ueslei Marcelino

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, fizeram um pronunciamento à imprensa nesta sexta-feira (22) em meio ao avanço da proposta do governo de alterar a regra do teto de gastos públicos para gastar mais com o programa social Auxílio Brasil.

O "furo" no teto de gastos desencadeou uma crise no mercado financeiro, causando uma disparada do dólar e queda na bolsa de valores. A desorganização fooi intensificada depois que quatro secretários de Guedes pedirem demissão, alegando motivos pessoais.

As declarações foram dadas após uma visita de Bolsonaro ao Ministério da Economia. O presidente disse que governo não fará "nenhuma aventura" na economia e que tem "confiança absoluta" em Guedes. Em seguida, Guedes se pronunciou e respondeu perguntas dos jornalistas.

Abaixo, as principais frases do ministro

Sobre as projeções de crescimento projetados para o Brasil:

"O Brasil tem tudo para retomar crescimento, R$ 500 bilhões de investimentos já contratados. O Brasil vai crescer mais que as previsões para o ano que vem, bem mais que as previsões que estão sendo feitas."

Sobre as negociações no Congresso para abrir espaço no orçamento:

"Enquanto faço isso lá fora [viagem aos EUA], naturalmente a política começa a sacudir e o dinheiro dos mais frágeis... Estamos sem IR, precisa tirar dinheiro de algum lugar. E se for R$ 400, tira do teto... A balança começa a barulheira e tem briga entre a ala política e econômica."

Sobre o valor pedido para o Auxílio Brasil não caber no teto de gastos:

"Tem essa sutileza: como não há fonte permanente – permanente eram os R$ 300 que cabem dentro do teto –, mas como não há fonte permanente e IR não andou, o governo não podia ficar parado. Não vou deixar de assistir os mais frágeis. A solução tecnicamente correta não funcionou e a situação dos mais frágeis piorou."

Sobre a demissão de seus secretários, contrários ao rompimento do teto:

"Resultado: virou guerra, todo mundo brigando com todo mundo, querendo sair. Os mais jovens [secretários que se demitiram] que dizem: 'a linha é aqui, não pode furar o teto'".

"Inclusive, os nossos secretários que pediram para sair, é natural. O jovem é secretário do Tesouro, está tomando conta lá do Tesouro, o outro é secretário da Fazenda, tomando conta da Fazenda, eles querem que [o auxílio mensal] fique no R$ 300, que fique dentro do teto. A ala política, naturalmente, olhando para fragilidades dos mais vulneráveis, diz 'olha, nós precisamos gastar um pouco mais'. Tem que haver uma linha de equilíbrio aí."

"Dois demisionarios... Saíram quatro porque dois eram adjuntos, quando sai o titular, sai o adjunto. Dois que saíram eram jovens, boas pessoas. 'Meu trabalho no Tesouro é trancar, não sai dinheiro nenhum'. Nem para os mais frágeis?"

"Cabe ao presidente dizer o precisa atender. Agora se for R$ 500, R$ 600, R$ 700, não dá mesmo e vamos desorganizar a economia. É um equilibrio difícil. Cabe ao presidente fazer arbitragem e cabe a mim fazer a avaliação."

Sobre o furo no teto de gastos para financiar o Auxílio Brasil:

"Do ponto de vista fiscal, não altera os fundamentos fiscais da economia brasileira, não abala os fundamentos fiscais. Os fundamentos são sólidos."

Não há nenhuma mudança no arcabouço fiscal. Poderia ter sido feito exatamente dentro das regras atuais, apenas dizendo: 'preciso de licença para gastar mais R$ 30 bilhões, porque em vez de R$ 300 que cabia no teto vão ser R$ 400, só isso."

"Não estou preocupado com a coisa: foi extra-teto ou levantamento do teto? O importante é o seguinte: é plenamente absorvível nas contas, as finanças seguem inabaladas."

"Vamos pensar nas futuras gerações, compromisso com responsabilidade fiscal. Preferimos ajuste fiscal um pouco menos intenso e abraço do social um pouco mais longo. É isso que está acontecendo."

Sobre o substituto escolhido para o Orçamento, Esteves Colnago, que Guedes confunde com o sócio do banco BTG Pactual, André Esteves:

"E a gente quer anunciar também a saída de um jovem que a gente compreende, a função do jovem é defender, da política é atacar, a minha é avaliar até onde posso ir."

"Estou nomeando alguém com muita formação, muita experiência para o lugar do antigo secretário especial do Tesouro e Orçamento, que era o Funchal. Sai o Funchal e entra o André Esteves. O André Colnago, o André Colnago. É porque, é porque, é o André Esteves Colnago. Ele é Esteves Colnago. Ele não tem o André, né?"

"Ato falho. Teve gente da área política que andou indo no André Esteves, do BTG. 'Se o Guedes sair, quem botar lá? Podemos colocar o Mansueto [Almeida, ex-secretário do Tesouro e economista do BTG Pactual]?"

"Por ato falho, falei André Esteves. Sei que não pediu isso, o presidente. Porque eu confio nele e ele em mim, mas muita gente da área politica andou fazendo pescaria lá [no BTG Pactual]."

Reportagem em atualização.

00:00 / 35:03

Fonte: G1

Comunicar erro
Marketing para Advogados_2

Comentários

Supletivo_01 - Local 3