CMVR - ABRIL/24

Pregador de rua é assassinado por levar muçulmanos a Jesus

Por Equipe G. Gospel em 19/03/2024 às 11:22:52

Após pregar nas ruas de Nakaloke e Busajjabwankuba, Kiisa Masolo, de 45 anos, voltou para sua casa na aldeia de Nakitiku, em Uganda, às 19 horas.

Foi nesse momento que sete homens mascarados e vestidos com trajes islâmicos invadiram sua casa e o levaram embora, contou sua mãe Norah Nandege.

"Depois de levá-lo, três homens ficaram para trás e me disseram: 'Alá está muito descontente com seu filho e pretendemos puni-lo'", contou Nandege ao Morning Star News. "Então os três homens foram embora."

Ela contatou um líder do clã, que chegou ao local, mas disse que eles precisavam esperar até a manhã seguinte antes de tomar qualquer medida.

Quando seu filho não retornou ao amanhecer, Nandege imediatamente denunciou o sequestro ao presidente do Conselho Local 3 e começaram as buscas por Masolo.

"Depois de quatro horas de busca, o corpo do meu filho Masolo foi encontrado sem vida no mato com uma nota escrita em árabe que não conseguimos ler", disse Nandege.

"Uma pessoa fluente em árabe foi chamada para ler o roteiro que dizia: 'Tínhamos avisado você para não converter nossos irmãos e irmãs muçulmanos ao cristianismo, mas você não atendeu ao nosso aviso. Isso finalmente custou sua vida.'"

Tapete Personalizado

Pregar o Evangelho

Nandege também disse que os criminosos deixaram vários avisos e ameaças no celular de Masolo, dizendo que seu filho deveria parar de converter muçulmanos ao cristianismo.

"Tentei aconselhar meu filho a ser muito cauteloso com sua vida, mas ele costumava me dizer que sua vida estava nas mãos de Deus e que foi chamado para pregar o Evangelho de Cristo", disse Nandege ao Morning Star News.

"Desde então, eu sabia que a vida do meu filho estava em perigo e que ele poderia não viver por muito tempo devido às muitas mensagens ameaçadoras [dos seguidores] de Alá, que pretendia matá-lo."

O corpo de Masolo, exibindo cortes profundos na cabeça e no pescoço, foi encaminhado ao necrotério da cidade de Mbale para necrópsia e posterior investigação. Ele fazia parte da congregação do Templo do Calvário em Mbale.

O ataque foi o mais recente de muitos casos de perseguição aos cristãos no Uganda documentados pelo Morning Star News.

A Constituição de Uganda e outras leis garantem a liberdade religiosa, incluindo o direito de praticar e propagar a própria fé, bem como converter-se de uma religião para outra.

Os muçulmanos compõem menos de 12% da população de Uganda, com maior concentração nas regiões orientais do país.


Fonte: Guia Me

Comunicar erro
Consultoria

Comentários

Tapete Personalizado
Marketing para Advogados_2