Consultoria Gratuita

Autodestruição

Por Equipe G. Gospel em 05/04/2022 às 14:36:22

Há um tema subjacente à mensagem do Metzora. Esta doença espiritual que causa a descoloração da pele ou dos pelos sobre a pele, em manchas imprevisíveis, é causada pelos pecados da fala – fofocas, calúnias e afins. Quando uma pessoa percebe a descoloração, ela deve imediatamente se aproximar de um kohen (sacerdote) e mostrar-lhe a anormalidade. Cabe ao kohen não apenas determinar o status da aflição, mas também invocar o status de impureza no homem por meio de sua interpretação de sua decisão sobre o assunto.

A aflição física dos tzara"at (ferimento pelo pecado) definitivamente não é contagiosa. De fato, a Torah nos ensina que há momentos em que o kohen pode adiar sua declaração; por exemplo: um noivo durante a semana das festas de casamento é poupado da humilhação do isolamento. Se tzara"at fosse uma doença transmissível, certamente justificaria o isolamento imediato, apesar das circunstâncias. No entanto, quando um homem é declarado tamei (impuro), ele é mantido em isolamento. A Torah explica explicitamente: "Todos os dias em que a aflição estiver sobre ele, ele permanecerá contaminado; ele está contaminado. Ele deve morar em isolamento; a sua habitação será fora do arraial" (Lv 13:46).

A pergunta é simples. Se os pecados do comportamento antissocial causam a doença, por que o homem está isolado? Não seria melhor se ele ficasse constrangido dentro da comunidade e aprendesse a melhorar por meio da interação comunitária? Como a solidão o ajudará a curar seus males sociais?

Há um conto clássico do cavalheiro que comprou uma passagem de avião de Nova York para Los Angeles. O homem era bastante exigente em viajar e pediu ao agente um assento na janela. De alguma forma, ele não foi colocado na janela, mas no corredor.

Durante toda a viagem, ele se mexeu e se contorceu. Imediatamente após a longa viagem o homem foi direto reclamar.

"Pedi especificamente um assento na janela", exclamou. "Seu agente em Nova York me garantiu que eu conseguiria um assento na janela. Olhe para este rascunho. Isso me colocou bem no corredor!"

O agente de relações com clientes em Los Angeles não se intimidou. Imperturbável, ela perguntou ao homem: "Você pediu à pessoa no assento da janela para trocar de lugar?"

Desta vez o homem estava irado. "Eu não fui capaz!"

"E porque não?"

"Não havia ninguém no banco."

Meu avô, Rabi Yaakov Kamenetzky, de abençoada memória, em sua obra clássica Emet L"Yaakov explica. As pessoas muitas vezes culpam as ramificações de seus atos em todos, menos em si mesmas. Verdade seja dita, uma pessoa que está aflita pode contornar o confinamento não relatando o negah ao Kohen, ou mesmo arrancando os cabelos que estão descoloridos. É semelhante a um homem que é condenado à prisão domiciliar. Suas mãos estão amarradas com a corda presa aos dentes. Ele é dito para assistir a si mesmo e não escapar.

Em essência, um negah é meramente um alerta divino. É a maneira do céu de deixar um indivíduo saber que há algo errado. É uma mensagem pessoal e deve ser levada para o lado pessoal. E assim, na solidão, o homem se senta e pondera sobre o que exatamente precisa ser corrigido.

Se uma pessoa quer corrigir a si mesma, ela não precisa brincar com os outros para fazê-lo. Se alguém puder remover as barreiras da falsa bajulação e da falsidade social, poderá fazer muito melhor por si mesmo: porque o autoaperfeiçoamento depende da automotivação. Sem que a verdade encontre o eu, qualquer tentativa de autoaperfeiçoamento pode levar a nada mais do que à autodestruição.

Tradução: Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.


JPM_nunes


Fonte: Guia Me

Comunicar erro
Marketing para Advogados_2

Comentários

Supletivo_01 - Local 3